Arquivo para Vem Pra Rua

Vem, vamos pra rua Brasil!

Posted in Cristãos, Jesus, Reflexões with tags , , , , , , , , , , , , , , on junho 19, 2013 by chriskato

Paciência tem limite, já diz o antigo adágio popular…

Vivemos nestes dias um “despertar do sentimento cívico coletivo” e o estopim foram os aumentos das tarifas nos transportes públicos Brasil afora.

Tal “grito de indignação” desencadeou tantos outros sentimentos há muito entalados nas gargantas e corações de muitos.
É qualquer coisa de maravilhoso ver pessoas unidas em prol de um objetivo comum, dispostos a caminhar por horas, gritar a plenos pulmões até a voz se esvair, erguer cartazes, tremular bandeiras, proclamar o amor a pátria, a nossa terra.

É lindo ver tantas pessoas de etnias, religiões, classes sociais tão distintas, caminhando de braços dados, entoando coros em uníssono, bradando por justiça, contra a bandalheira que corre solta entre os que governam nosso país… Lindo mesmo! Eu pelo menos acho.

Em tempos de globalização, de acesso fácil a informação, computadores, smartphones, tablets, todos conectados, através das redes sociais, onde todos se mobilizam, ganham voz, força… Muitos descobriram que esta ferramenta serve muito mais do que apenas para publicar futilidades, textos vazios… É o povo com a “voz amplificada”, de cara pro mundo!

Eu como qualquer cidadão de bem, também não me conformo com o sistema que oprime as maiorias e que privilegia minorias, que serve de trampolim para enriquecer poucos em detrimento da miséria de muitos, muitos mesmo! Também fico perplexo com verdadeiros “Coronéis do Cacau” trajados de parlamentares enriquecerem com os esquemas fraudulentos, superfaturando obras, viajando às custas dos impostos que pagamos, amealhando fortunas em troco da barriga vazia das crianças do nosso Nordeste e demais regiões assoladas pela miséria em nossa Terra Brasilis.

Desde os tempos do Brasil Colônia é que sofremos com as bandalheiras dos “Senhores Feudais” que governam (?) nossa nação. Parece-me até que já é algo cultural, até então, aceito com passividade por todos aqueles que são (eram?) vitimados por tal sistema…

Como descrevi acima, acho muito válido o povo ganhar às ruas, protestar (desde que pacificamente, claro), exigir seus direitos, gritar: “Basta a corrupção!”

Mas o que me deixa um pouco receoso com tanto barulho, é se as pessoas realmente estão convictas dos porquês de estarem indo às ruas, se realmente reconhecem o fundamento de seu engajamento…

Primariamente, todo este movimento se organizou e se originou por conta do aumento de R$0,20 ou R$ 0,30 nas passagens dos transportes coletivos em todo o Brasil… Posteriormente, argumentos a respeito dos gastos bilionários na construção dos estádios para as Copas (das Confederações e do Mundo, essa em 2014), onde é evidente o superfaturamento das obras, também foram levados aos dizeres nos cartazes e nos coros ecoantes, desferidos a plenos pulmões pelos manifestantes.

As perguntas que me vem a cabeça são:

1 – Por que, quando nosso país candidatou-se a sede de ambas as competições (isso sem contar as Olimpíadas de 2016 no Rio), ninguém foi às ruas? Aliás, por que, mesmo depois do Brasil ser anunciado como sede das Copas supracitadas, ninguém indignou-se e foi às ruas? Aliás, no primeiro jogo da Copa das Confederações Fifa Brasil 2013, quando do discursos de abertura da atual “presidenta”, muitos vaiaram-na, mas pergunto: Se esse brasileiros estavam tão indignados com as obras fraudulentas na construção dos estádios e demais questões que envolvem estes eventos, o que eles faziam nas arquibancadas lotadas no Maracanã com Vuvuzelas, bandeirolas e caras pintadas de verde e amarelo? Quanta hipocrisia…

2 – Por que, quando dos aumentos abusivos dos combustíveis foram anunciados (estou falando, não de apenas 1 ano pra cá, mas sim, de reajustes anteriores, em anos anteriores), sabido que a alta dos mesmos geram impactos severos em todos os aspectos de nossas vidas, ninguém organizou movimentos e as ruas não foram invadidas para protestar contra tais abusos?

Essas são as perguntas do momento ecoando em minha cabeça, mas muitas outras tenho a fazer quando reflito a respeito desta situação como um todo.

É no mínimo muito, mas muito estranho, assistir ao partido da ocasião (que sempre fomentou/apoiou protestos, manifestos e é historicamente conhecido por isso) no papel de opressores, enquanto os partidos de oposição (que historicamente são reconhecidos por reprimirem tais atos) estão do lado contrário na atual situação… Temos uma eleição presidencial marcada para o próximo ano… Será coincidência ou o acaso?

Estes “senhores”, distintos parlamentares, o governo, estão acostumados e detém habilidades no jogo da manipulação, de manobrar as massas, de fazer de alienados, seus escudos.

É necessário gritar por justiça sim, mas é necessário reconhecer o teor do que se pleiteia, estar devidamente esclarecido quanto às bandeiras que se ergue e hasteia!

Em minha humilde opinião (não sou senhor de razão alguma!), não adianta fazer tanto barulho neste momento de ânimos sobressaltados, de exaltação do orgulho em ser brasileiro e não se valer da principal arma que temos para mudar definitivamente os rumos desta nação, que é nas urnas, com votos conscientes!

Quantas vezes não presenciei “macacos velhos” da política, metidos nos mais escabrosos escândalos e fraudes, muitos comprovados, voltarem aos cargos públicos depois da “poeira baixar”. Acho que cada um de nós tem uma ou mais histórias deste teor para contar, não é mesmo?

Manifestantes de memória curta, sem responsabilidades cívicas verdadeiras, sem pleitos conscientes, são alvos fáceis nos joguetes malignos dos políticos corruptos!

Portanto, fica o meu apelo. Vamos às urnas com consciência cívica, com fé e com esperança! Desta maneira nosso pleito, nosso manifesto ganha real sentido!!!

Outra questão é: Nosso pleito, como cristãos (eu sou um dos que creem nos ensinamentos do bom mestre de Nazaré, conhecido como Jesus, o Cristo!) tem de ser de cunho social. Explico.

Nos comentários que tenho colhido das pessoas engajadas nas manifestações que tem ocorrido, noto que o teor dos argumentos giram quase sempre em torno do benefício próprio. “Não é justo eu pagar tantos tributos e não me beneficiar!”.

Alguns outros: “Com mais dinheiro no bolso eu poderia trocar de carro, viver melhor a vida, ter acesso a mais bens, viajar mais”.

Nada disso é ilícito, mas para um cristão, não convém que seja assim. Dividir é uma divina e importante lição.

É sabido que nosso país possui riquezas tantas, que havendo uma distribuição de renda mais justa e correta, pessoas teriam mais oportunidades de fato, mas ouso dizer que se não houver compaixão, preocupação com o social, os miseráveis continuarão miseráveis, fruto ainda sim, de corações duros, mesquinhos.

Por que é tão incomum vermos manifestos por àqueles que morrem a míngua no norte/nordeste e demais regiões de nosso vasto Brasil?

E o que dizer de manifestos contra a prostituição infantil e contra o trabalho escravo nos rincões deste país de dimensões continentais? Você os vê com frequência? Eu não!

É preciso manifestar-se contra a corrupção sim, votar com consciência sim, mas desde que o alvo seja sempre o bem estar de todos, não de poucos, caso contrário, a história muda de figuras, mas não de conteúdo.

Jesus Cristo sempre se preocupou com o social, ou seja, com o coletivo, com pessoas. Aliás, deu-se por elas, por amá-las, por entender que o coletivo é o que importa e não o favorecimento de alguns, afinal de contas, Ele se deu por todos àqueles que desejam se entregar a Ele!

Nem mesmo os milagres que fez foram para o favorecimento de alguns. Todo milagre é coletivo. Explico novamente.

Quando nosso Senhor Jesus agraciava alguém com um milagre, tal ato de graça não somente abençoava o alvo do ato miraculoso, mas sim, muitos ao redor. As testemunhas oculares tinham a fé edificada e a esperança renovada e os que apenas ouviam falar dos bondosos atos do Messias eram invadidos por uma alegria contagiante, cientes de que o Deus Conosco (Emanuel) de fato havia chegado a Terra. Portanto, ouso dizer que todo milagre é coletivo, que Cristo pregou a unidade entre todos, deixou lições bem claras de que é preciso viver em comunidade e preocupar-se além de si mesmo.

Tenho certeza de que se pararmos apenas dez minutos para refletirmos, encontraremos pelo menos uns cinco motivos para sairmos às ruas pelo menos uma vez por semana, já que são tantas as misérias e injustiças sociais.

A minha oração é para que deixemos de orbitar apenas em torno de nós mesmos e que possamos aprender mais de Cristo, que nos ensinou que devemos amar uns aos outros como a Ele e a nós mesmos, portanto, devemos sim gritar por justiça, porém, para o benefício de muitos!

O que me alegra é que ao mesmo tempo que converso com pessoas que parecem viver uma alienação, outras, sabem muito bem o que pleiteiam, sabem que o grito de manifesto é coletivo e para o bem estar de todos.

Que Deus nos abençoe com consciência cívica, sabedoria, discernimento. Que Deus abençoe a nação brasileira e seja Ele a nos guiar para tempos melhores.

no amor de Cristo, com fé e consciência cívica.

Chris Kato

Ps: Escrevo este texto também no calor de minhas emoções, na efervescência em que se encontram tantos outros e como alguém que participa deste momento em nosso país, por isso, peço para que me perdoem pela extensão do mesmo. Se você se enxergou nestas palavras, este texto é teu também. Não desejo que ele seja amplificado, compartilhado, mas apenas que gere alguma boa reflexão em você que o lê.

Pastor Antonio Carlos Costa nas ruas do Rio de Janeiro. Pleito em favor de todos, consciente de sua fé e civilidade!

Pastor Antonio Carlos Costa nas ruas do Rio de Janeiro. Pleito em favor de todos, consciente de sua fé e civilidade!

Anúncios