Reflexão – Você tem fome de quê?

Sabemos bem, como aqueles que se perceberam em Deus, em Cristo, de que Ele nos fornece o alimento necessário, na justa medida, na perfeita provisão, nos fartando conforme as necessidades que sabe que temos.

Quando temos fome de Deus, não somos confundidos e o alimento que Ele nos dá, supre nossas necessidades, mesmo que ele não seja o mais saboroso ao nosso paladar, o mais cheiroso, o mais bonito aos olhos, mas é este alimento que verdadeiramente nos mantém e ele nos é dado diariamente, sem falta.

Satanás age em nossas vontades, onde somos frágeis. Reconhecendo nossa “fome”, o inimigo sempre nos oferece pratos que supostamente são saborosos, cheirosos, bonitos, muito bem montados, como por um “Grand Chef De Cuisine”, um grande chefe francês.

O inimigo tentou Jesus no deserto justamente naquilo que lhe parecia essencial, quando Satanás investe justamente nas vontades e necessidades de Cristo para tentar obter êxito. A primeira investida foi justamente na fome física de Jesus após jejuar 40 dias e 40 noites no deserto. Depois o inimigo investe em outra vontade de Jesus, que era se fazer conhecido como o verdadeiro messias, o filho amado e querido de Deus, por todos, mas como o Senhor não precisava provar nada neste momento e desta maneira, recusou-o a oferta do diabo. Por último, Satanás o levou a um alto monte para lhe mostrar todos os reinos do mundo e como Jesus carregava a característica messiânica de ser o Cristo, o Senhor desejava ver todas as nações prostradas a Deus, mas o diabo não considerou que embora Jesus estivesse na condição do Deus encarnado, que Ele tinha a cabeça e a mente de Deus e por isso o diabo saiu frustrado de seu intento. Mas conosco, não é bem assim que funciona, somos mais frágeis, sobretudo, quando agimos por conta própria, desconsiderando os cuidados de Deus.

Texto para verificação e reflexão – Mateus 4: 1-11

Existem diversos tipos de fomes, paladares. A que vem primeiramente em nossa mente é a fome física, a vontade de suprir as necessidades do corpo humano com alimentos. Mas também existe a fome por poder, por ganância, por sucesso, por prostituição, por dinheiro, por fama, por reconhecimento, etc… São tantas fomes… São tantos paladares…

Por muitas vezes nos alimentamos dos manjares, rejeitando o que Deus coloca a nossa mesa, desdenhando do que o Senhor tem para nós como alimento. Quase sempre queremos mais… Mais sabor, mais aroma, mais beleza no prato que nos é servido… Somos seduzidos por isso. Queremos quase sempre mais!

Exemplos práticos:

Um pescador só fisga um peixe quando coloca uma isca (comida para peixe) a fim de atrair e capturá-lo. Um anzol vazio não é atrativo para um peixe, correto?

Um caçador de passarinhos coloca comida (alpiste ou outro alimento destinado a este tipo de animal) para atraí-lo e capturá-lo em uma arapuca (instrumento rudimentar, mas eficiente para a captura de pássaros), prendendo-o, cerrando-o em uma gaiola posteriormente.

Reparem que é mediante a fome e o que é servido como alimento que fazem com que estes animais tenham como destino, serem capturados e retirados de sua liberdade. O peixe geralmente vai para a panela, já o pássaro, tem como destino ficar preso em uma gaiola.

Será que podemos nos enxergar nestas situações também? Será que não somos apanhados muitas vezes por nossas vontades, nossas “fomes”?

Estou utilizando a palavra “Fome” como figura de linguagem, uma metáfora, mas leia-se “Vontade, Desejo”.

A insatisfação do homem mediante aos cuidados de Deus:

Muitas vezes demonstramos insatisfação para com os cuidados de Deus em relação a nós.

Ele nos alimenta, nos dá o que é necessário para nos mantermos, para vivermos, mas quase nunca estamos satisfeitos com o que Ele nos dá. É a questão do “quase sempre queremos mais”.

Vejamos como os Hebreus murmuraram contra Moisés e Arão, quinze dias após deixarem o Egito, rumando pelo deserto a caminho da terra prometida.

Segundo a bíblia, o povo hebreu preferia morrer na escravidão de Faraó, porque lá mesmo sendo escravos, eram bem tratados e tinham fartura de pão e carne e por este motivo, a fome, o “querer mais”, esqueceram-se da bondade de Deus.

Texto para verificação e reflexão – Êxodo 16: 1-4

No texto do livro do profeta Joel, capítulo 2, dos versos 18 ao 27, podemos constatar que nosso Senhor Deus supre as nossas necessidades físicas e espirituais e que não devemos nos preocupar em tomar as rédeas da situação, porque Deus está no controle e nos dará o que é necessário e melhor. Neste texto do livro do profeta Joel, Deus fala com Israel, seu povo, mas como também recebemos a adoção por parte de Deus, também podemos nos valer dele.

Texto para verificação e reflexão – Joel 2: 18-27

Sabemos então que o diabo nos tenta em nossas necessidades, vontades e fomes e também sabemos que Cristo o venceu na carne, por ter a mente e a cabeça de Deus, portanto, também podemos vencer as tentações e as ofertas que o diabo nos oferece nos valendo da graça que nos fora dada, a fim de termos a mente de Cristo Jesus.

Leitura de texto para verificação e reflexão: 1 Coríntios 2: 13-16

Se podemos, pela graça, termos a mente de Jesus Cristo, podemos assim, discernir espiritualmente todas as coisas a fim de que não sejamos confundidos e sejamos alimentados com aquilo que vem única e exclusivamente de Deus. Desta feita, teremos uma vida espiritual saudável.

No Amor de Cristo Jesus,

Chris Kato

Anúncios

2 Respostas to “Reflexão – Você tem fome de quê?”

  1. Bom dia Chris,

    A Paz de Cristo!

    Realmente Cristo é o único alimento que nos interessa, mas a fome nos engana, ficamos muitas vezes como pessoas no deserta, temos muitas vezes delírios, vemos coisas que não existem…é aqui que entra o demonio. Mas se mantemos os olhos fixos em Deus, Ele nos alimenta, aos poucos, não nos empanturra, não nos dá algo que nos fará mal, nos dá justamente o que precisamos, o que nos fará feliz.

    Senhor, alimenta-me com teu corpo e teu sangue, levanta-me com teu Espírito Santo, e que eu possa me tornar um garçon teu, levando-o para todos aqueles que tem fome e sede.

    Que Deus o abençoe Chris!

    • Graça e Paz, Bruno.
      Que em sua mesa haja sempre pão e vinho, alimentos vindos diretamente do Senhor para que sua vida espiritual seja sadia.
      Um grande abraço, no amor de Cristo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: