Archive for the mensagens Category

Reflexão – Você tem fome de quê?

Posted in mensagens with tags , , , , , , , , , , on maio 23, 2011 by chriskato

Sabemos bem, como aqueles que se perceberam em Deus, em Cristo, de que Ele nos fornece o alimento necessário, na justa medida, na perfeita provisão, nos fartando conforme as necessidades que sabe que temos.

Quando temos fome de Deus, não somos confundidos e o alimento que Ele nos dá, supre nossas necessidades, mesmo que ele não seja o mais saboroso ao nosso paladar, o mais cheiroso, o mais bonito aos olhos, mas é este alimento que verdadeiramente nos mantém e ele nos é dado diariamente, sem falta.

Satanás age em nossas vontades, onde somos frágeis. Reconhecendo nossa “fome”, o inimigo sempre nos oferece pratos que supostamente são saborosos, cheirosos, bonitos, muito bem montados, como por um “Grand Chef De Cuisine”, um grande chefe francês.

O inimigo tentou Jesus no deserto justamente naquilo que lhe parecia essencial, quando Satanás investe justamente nas vontades e necessidades de Cristo para tentar obter êxito. A primeira investida foi justamente na fome física de Jesus após jejuar 40 dias e 40 noites no deserto. Depois o inimigo investe em outra vontade de Jesus, que era se fazer conhecido como o verdadeiro messias, o filho amado e querido de Deus, por todos, mas como o Senhor não precisava provar nada neste momento e desta maneira, recusou-o a oferta do diabo. Por último, Satanás o levou a um alto monte para lhe mostrar todos os reinos do mundo e como Jesus carregava a característica messiânica de ser o Cristo, o Senhor desejava ver todas as nações prostradas a Deus, mas o diabo não considerou que embora Jesus estivesse na condição do Deus encarnado, que Ele tinha a cabeça e a mente de Deus e por isso o diabo saiu frustrado de seu intento. Mas conosco, não é bem assim que funciona, somos mais frágeis, sobretudo, quando agimos por conta própria, desconsiderando os cuidados de Deus.

Texto para verificação e reflexão – Mateus 4: 1-11

Existem diversos tipos de fomes, paladares. A que vem primeiramente em nossa mente é a fome física, a vontade de suprir as necessidades do corpo humano com alimentos. Mas também existe a fome por poder, por ganância, por sucesso, por prostituição, por dinheiro, por fama, por reconhecimento, etc… São tantas fomes… São tantos paladares…

Por muitas vezes nos alimentamos dos manjares, rejeitando o que Deus coloca a nossa mesa, desdenhando do que o Senhor tem para nós como alimento. Quase sempre queremos mais… Mais sabor, mais aroma, mais beleza no prato que nos é servido… Somos seduzidos por isso. Queremos quase sempre mais!

Exemplos práticos:

Um pescador só fisga um peixe quando coloca uma isca (comida para peixe) a fim de atrair e capturá-lo. Um anzol vazio não é atrativo para um peixe, correto?

Um caçador de passarinhos coloca comida (alpiste ou outro alimento destinado a este tipo de animal) para atraí-lo e capturá-lo em uma arapuca (instrumento rudimentar, mas eficiente para a captura de pássaros), prendendo-o, cerrando-o em uma gaiola posteriormente.

Reparem que é mediante a fome e o que é servido como alimento que fazem com que estes animais tenham como destino, serem capturados e retirados de sua liberdade. O peixe geralmente vai para a panela, já o pássaro, tem como destino ficar preso em uma gaiola.

Será que podemos nos enxergar nestas situações também? Será que não somos apanhados muitas vezes por nossas vontades, nossas “fomes”?

Estou utilizando a palavra “Fome” como figura de linguagem, uma metáfora, mas leia-se “Vontade, Desejo”.

A insatisfação do homem mediante aos cuidados de Deus:

Muitas vezes demonstramos insatisfação para com os cuidados de Deus em relação a nós.

Ele nos alimenta, nos dá o que é necessário para nos mantermos, para vivermos, mas quase nunca estamos satisfeitos com o que Ele nos dá. É a questão do “quase sempre queremos mais”.

Vejamos como os Hebreus murmuraram contra Moisés e Arão, quinze dias após deixarem o Egito, rumando pelo deserto a caminho da terra prometida.

Segundo a bíblia, o povo hebreu preferia morrer na escravidão de Faraó, porque lá mesmo sendo escravos, eram bem tratados e tinham fartura de pão e carne e por este motivo, a fome, o “querer mais”, esqueceram-se da bondade de Deus.

Texto para verificação e reflexão – Êxodo 16: 1-4

No texto do livro do profeta Joel, capítulo 2, dos versos 18 ao 27, podemos constatar que nosso Senhor Deus supre as nossas necessidades físicas e espirituais e que não devemos nos preocupar em tomar as rédeas da situação, porque Deus está no controle e nos dará o que é necessário e melhor. Neste texto do livro do profeta Joel, Deus fala com Israel, seu povo, mas como também recebemos a adoção por parte de Deus, também podemos nos valer dele.

Texto para verificação e reflexão – Joel 2: 18-27

Sabemos então que o diabo nos tenta em nossas necessidades, vontades e fomes e também sabemos que Cristo o venceu na carne, por ter a mente e a cabeça de Deus, portanto, também podemos vencer as tentações e as ofertas que o diabo nos oferece nos valendo da graça que nos fora dada, a fim de termos a mente de Cristo Jesus.

Leitura de texto para verificação e reflexão: 1 Coríntios 2: 13-16

Se podemos, pela graça, termos a mente de Jesus Cristo, podemos assim, discernir espiritualmente todas as coisas a fim de que não sejamos confundidos e sejamos alimentados com aquilo que vem única e exclusivamente de Deus. Desta feita, teremos uma vida espiritual saudável.

No Amor de Cristo Jesus,

Chris Kato

A Passagem… A Páscoa e seu real significado

Posted in mensagens with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 20, 2011 by chriskato

Quando pensamos em Páscoa, logo vêm as nossas mentes imagens de coelhinhos e o sabor do chocolate parece já adoçar a boca, mas esta data possui outro significado, que é real e muito mais relevante.

A festa, que em hebraico é chamada “Pessach” (que significa “Passagem”) originou-se a muitos e muitos anos, com a finalidade de celebrar a libertação do povo de Israel, que era escravizado por Faraó e pelos egípicios. Este fato ocorreu acerca de 1.400 anos antes de Cristo.

A Páscoa é celebrada no mês de “Nisã”, que também é chamada de “Abib”, que é o primeiro mês do calendário judaico e corresponde a março-abril do calendário gregoriano. A primeira Páscoa marcou o início de uma nova vida para o povo de Israel.

O “Pessach” representa a libertação da escravidão e um novo começo para o povo hebreu, porém, para nós, a Páscoa possui um significado tão mais sublime, pois, Jesus Cristo, ao dar-se por nós na cruz do calvário, tornou-se nosso libertador e nos deu a possibilidade de um novo começo, uma nova vida.

A morte do Messias, o unigênito do Deus vivo, nos trouxe redenção, bem como nos possibilitou a reconciliação com Deus.

Jesus, como todo judeu, também tinha por costume a comemoração da Páscoa e a última vez em que a celebrou foi no que conhecemos como Santa Ceia (Ref. Bíblica: Mt 26: 17-30; Mc 14: 12-26; Lc 22: 7-23), onde esteve junto de seus discípulos, um dia antes (quinta-feira, portanto) de ser capturado para sua morte.

No dia seguinte (sexta-feira), Jesus concluiria a sua redenção e desde então, a Páscoa ganhou um novo significado, pois Cristo ao se entregar em favor de nós na cruz, promoveu uma libertação de tamanho um tanto maior do que a ocorrida com o povo hebreu.

Outro dia nasceu (sábado), e com ele, a incerteza, o medo e a dor de se perder alguém que se ama, também. Um grande abatimento tomou conta de todos os que o seguiam e os que n’Ele criam, pois haviam “matado” o filho de Deus.

Ao terceiro dia após a morte de Cristo (domingo), pela madrugada, Maria Madalena e Maria (mãe de Tiago) foram até o sepulcro onde haviam depositado o corpo de Jesus, a fim de levarem especiarias que haviam preparado para ungir o corpo, porém, ao chegarem próximas ao local do sepultamento, notaram que a pedra que fechava o túmulo estava fora de seu lugar e que o corpo do Mestre já não mais se encontrava no local.

Nota: Segundo o evangelho de Mateus, capítulo 28, versos 1 ao 4, um anjo do Senhor desceu do céu e houve um grande terremoto, depois removeu a pedra e assentou-se sobre ela. Os soldados que guardavam a sepultura, foram testemunhas do ocorrido e ficaram atemorizados com a aparição do anjo.

O desespero e o pranto copioso tomaram conta das seguidoras de Jesus, pois pensaram que haviam roubado o corpo do amado Mestre.

Ainda aos prantos, foram surpreendidas por dois anjos (ou varões com vestes resplandecentes, se preferir), que indagaram: “Por que buscais o vivente entre os mortos? Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galiléia, dizendo: Convém que o Filho do Homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e, ao terceiro dia, ressuscite.” Lucas 24: 5-7

Então elas lembraram-se das palavras de seu Mestre e alegraram-se muito. Foram prontamente avisar aos apóstolos e os demais discípulos (seus Talmidim, que quer dizer, aprendizes ou discípulos em hebraico) que Cristo havia ressuscitado, que havia vencido a morte e o inferno, porém, a incredulidade e tristeza ainda tomavam conta dos corações dos demais.

Dois de seus discípulos iam para uma aldeia, cujo nome era Emaús no domingo, terceiro dia após a morte de Cristo e muito contristados pelo ocorrido em Jerusalém naqueles dias, seguiam pelo caminho conversando um com o outro sobre os tais fatos, quando Jesus aproximou-se deles e começou a caminhar e conversar com ambos, desejando saber sobre o que falavam. Não o reconhecendo, estes homens falavam a respeito do que os principais dos sacerdotes e dos príncipes haviam feito com Jesus, o Nazareno e de como eles estavam triste porque esperavam que o Homem que fora morto na cruz fosse o redentor de Israel.

Com paciência, Jesus abriu as escrituras a fim de lhes mostrar tudo que estava escrito sobre o Messias e sobre como ele devia padecer. Enquanto escutavam estas palavras, seus corações ardiam, mas mesmo assim, não o reconheceram.

Sendo já tarde, quase noite, Jesus fez como quem ia para mais longe (Lc 24: 28), mas Cleopas (identificado como irmão de José, marido de Maria e um destes dois que iam para Emaús) e seu companheiro constrangeram Jesus a ficar com eles.

E estando todos à mesa, tomando o pão, o abençoou, partiu e lhes deu e então abriram-se os olhos e o reconheceram, posteriormente, o Senhor desapareceu. (Lc 24: 30-31)

Na mesma hora, os discípulos levantaram-se e voltaram para Jerusalém, para anunciar aos onze apóstolos e os demais talmidim, que realmente o Senhor havia ressuscitado.

Ainda falando destas coisas, o próprio Jesus apresentou-se no meio deles e disse-lhes: “Paz seja convosco.” (Lc 24: 36)

Todos ficaram maravilhados e creram que de fato Cristo era ressurreto e vivia novamente, pois, o Senhor lhes abriu o entendimento para que compreendessem tudo o que Ele havia de padecer e que após o terceiro dia, levantaria dos mortos, para que em Seu Nome, aqueles que testemunharam todas essas coisas pregassem o arrependimento e a remissão dos pecados a todas as nações. (Lc 24: 46-47)

Portanto, entendemos que o motivo real de se comemorar a Páscoa é celebrar, não a morte, mas sim, a vida de Cristo Jesus. Este é o real significado da Páscoa para os cristãos.

Na comemoração do “Pessach” ou Páscoa judaica, um cordeiro era morto para a refeição, como símbolo da libertação da escravidão do Egito, porém, o Cordeiro de Deus foi entregue a morte para que tivéssemos vida com Deus novamente.

Ao cumprir sua Paixão, derramando seu sangue inocente por amor de nós, Jesus nos libertou da escravidão do pecado e saldou nossa dívida, comprando-nos por bom preço.

A melhor notícia que poderíamos ter é que nosso Redentor não morreu, mas vive, hoje e para todo o sempre e de que haveremos de viver com Ele eternamente. Ele venceu por nós. Aleluias!!!

No Amor de Cristo,

Chris Kato

Assista a estes maravilhosos vídeos:

Uma forma diferente de se entender o triunfo de Cristo, assista:

Leonardo Gonçalves – Getsemâni ao vivo:

Pr.Antonio Cirilo e Santa Geração – Triunfo de Cristo (Linda canção que me toca profundamente)

Leonardo Gonçalves – Ele Vive ao vivo:

Reflexão – Seguir a Cristo é serví-lo!

Posted in mensagens with tags , , , , , , , , , , , , , , , on abril 12, 2011 by chriskato

Vou compartilhar a partir de hoje com todos vocês os textos sobre reflexões que temos feito em reuniões semanais em caráter interdenominacional, pois, entendo que a igreja pode e deve reunir-se em outros lugares, além dos templos, afinal, como já dizia Paulo, em Deus vivemos, nos movemos, e existimos.

Crendo neste trecho do livro de Atos, capítulo 17, versículo 28, que em nosso Senhor vivemos, existimos e nos movemos, temos nos encorajado a mover-nos, não limitando-se a ficarmos engessados apenas nos templos.

Ter vida congrecional é necessário, portanto, nos reunimos semanalmente nos lares apenas para nos fortalecermos em fé, para compartilhar da Graça conquistada por Jesus Cristo na cruz do Calvário, trazendo para os dias de hoje alguma essência que se perdeu, que vejo como algo extremamente saudável e que a igreja primitiva tinha como prática.

É impressionante como existem inúmeras pessoas que estão feridas pela religiosidade, mas estes nossos encontros não configuram uma pseudo-igreja (cito igreja como instituição aqui) para abrigar a estes, mas temos os encorajado e fortalecerem-se na fé, a conhecerem melhor a Graça (impressionante como muitos ainda não compreenderam o que Jesus conquistou na cruz por nós!), para que possam viver uma fé mais saudável em suas respectivas comunidades. É tão recente, mas Deus já tem curado feridas, sarado mágoas, tratado corações. Glórias a Ele!

Nesta primeira reunião, conversamos e refletimos sobre o exemplo que Cristo deixou a seus apóstolos e consequentemente a todos nós, ao lavar os pés dos seus. Isso demonstra a preocupação de deixar bem claro aos seus discípulos que Ele desejava que tivéssemos a mesma postura com nossos irmãos, com o próximo, deixando de lado qualquer orgulho para que possamos nos tornar servos, consequentemente, agradando-o.

Feita a introdução, vamos ao texto da reflexão do dia 20 de Fevereiro de 2011.

SEGUIR A CRISTO É SERVÍ-LO!

Se amamos a Cristo, somos seus servos!

Se servimos a Cristo em seus propósitos, devemos seguir seus exemplos e ensinamentos, descritos e relatados em sua palavra, pois, servindo a Cristo, honramos ao Pai Celestial, que é Deus.

“Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará.” João 12:26

Entendemos que aqueles que amam verdadeiramente a Deus, a Jesus Cristo, adotam uma postura servil.

Servil: adj. Relativo à condição ou estado de servo: trabalho servil.

O mundo e seu sistema, bem como os sofismas que o inimigo lança em nossas mentes, tentam nos convencer de que ao adotarmos a postura de servos, nos tornamos pessoas inferiores, indignas. Segundo o mundo e os sofismas que o inimigo de nossas almas lança em nossos corações e mentes, devemos cada vez mais nos destacarmos perante a sociedade, subindo os degraus da ascenção social, atingindo níveis superiores, de que não temos que servir, mas sermos servidos, conforme vamos ascendendo.

Ascenção: Elevação, subida, atingir um grau superior.

O mundo e seus valores não compreendem o porquê de alguém que poderia estar em um posto superior, deseja fazer exatamente o contrário, colocando-se como alguém inferior, por amor de Cristo.

Para nós e para Jesus, essa postura servil que o mundo julga como sendo algo inferior, tem uma outra conotação.

Para nós e para Jesus, ser servo não denota fraqueza ou falta de qualificações para que estejamos em patamares superiores, mas para o padrão de Cristo, ser servo e inferior mediante aos padrões deste mundo é ter virtude da parte de nosso Salvador e Redentor.

Servos são vistos pelo mundo e quem nele está como sendo pessoas que exercem atividades indignas e inferiores a quem elas servem, por exemplo, mas Jesus nos diz com suas próprias palavras no texto do evangelho de João, capítulo 12, verso 26, como lemos acima, que se servimos ao próximo, aos aflitos, aos quebrantados em seu Nome, honramos a Deus e por Ele seremos honrados por isso. Mas entendo, enquanto cristão que ama ao seu Senhor, que não nos tornamos servos e servimos de boa vontade com a intenção de que Deus nos honre, mas sim, porque o obedecemos, porque somos gratos e se somos obedientes e gratos, o amamos verdadeiramente.

“Ora, antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim.

E, acabada a ceia, tendo o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse,
Jesus, sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus, levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se.

Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.

Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim?

Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois.

Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo.

Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça.

Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos.

Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos.

Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito?

Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.

Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.

Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.

Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.

Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.

Não falo de todos vós; eu bem sei os que tenho escolhido; mas para que se cumpra a Escritura: O que come o pão comigo, levantou contra mim o seu calcanhar.

Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que eu sou.

Na verdade, na verdade vos digo: Se alguém receber o que eu enviar, me recebe a mim, e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou.” João 13: 1-20

Neste texto, também extraído do evangelho de João, Jesus nos ensina o mesmo que ensinou aos seus discípulos, exemplos de humildade e postura servil.

Jesus, ao lavar os pés de seus discípulos, lhes ensina e nos ensina sobre humildade e altruísmo.

Altruísmo: Sinônimo de solidariedade. Amor desinteressado ao próximo; abnegação.

Vale lembrar que a tarefa de lavar os pés dos convidados era tido como algo indigno. Quem o fazia, era considerado alguém inferior, mas Jesus nos deu o exemplo, nos mostrando que este é o seu padrão, que a inferioridade e indignidade atreladas a esta questão, são virtudes em seu padrão.

Humildade e servidão, estes são padrões de Jesus e devemos adotá-los para o nosso viver. Isto é adorá-lo, pois quando o obedecemos, entendemos seus propósitos e nos colocamos a disposição para que eles se cumpram em nós, o adoramos verdadeiramente e honramos a Deus (Jo 12: 26).

Jesus Cristo nos deixa bem claro, que este é o papel da igreja.

“Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.

Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.

Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.

Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.

Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.” João 13: 13-17

AMAR AO PRÓXIMO, SERVÍ-LO, É TER COMPROMISSO COM JESUS CRISTO E PARA COM DEUS, NOSSO SENHOR!

Te encorajo a ser contado com aqueles que servem, para honra e glória de nosso Senhor!!!

Um grande abraço,

No amor de Cristo, sempre!!!

Chris Kato

Quanto custa a sua fé?

Posted in mensagens with tags , , , , , , , , , on fevereiro 25, 2010 by chriskato

Há tempos a tal teologia da prosperidade me consome interiormente, por muitas vezes me tirando do sério, sinceramente falando, porém, até o dia de hoje, havia externado minhas opiniões a respeito deste tópico apenas com meus irmãos na Fé e principalmente nos meus íntimos momentos de proveitosas e edificantes conversas com o Senhor. Agora decidi compartilhar este assunto com todos vocês e espero que este post receba manifestações e opiniões de vocês que lêem este artigo.

Há algum tempo atrás eu estava “zapeando” por alguns canais de televisão (e olha que é algo difícil eu sentar para assistir tv, quase não faço isso) e me deparei com um programa de cunho evangélico, destes que passam nas madrugadas, quando notei a presença do norte americano e “macaco velho no segmento gospel” Morris Cerullo, proferindo algumas palavras com tradução simultânea.

Para quem não conhece o Dr.Morris Cerullo, eis uma breve apresentação.

Nascido no ano de 1931, Cerullo afirmar ter tido seu primeiro encontro com Deus na tenra idade, aos 8 anos precisamente falando, ao tentar dar fim a sua vida. Aos 14 anos de idade relata que foi retirado de um orfanato judeu por dois seres angelicais, que o levaram para um refúgio especialmente preparado para ele. Cerca de menos de um ano depois, o então jovem Morris foi transportado ao céu, onde teve um encontro face a face com Deus. Em “The Miracle Book”, escrito pelo próprio, ele descreve Deus como tendo cerca de 1,83 m de altura e o dobro da largura de um corpo humano. Desde então, o evangelista vem rodando o mundo, difundindo a teologia da prosperidade.

Analisando o relato de Cerullo, no qual ele afirma ter visto a Deus face a face, o mesmo é confrontado com a própria palavra de Deus, descrita no evangelho de João, capítulo primeiro, versículo 18, que descreve o seguinte:

“Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.”

Há outra passagem bíblica que conflita esta mesma afirmação. A primeira carta que Paulo escreveu a Timóteo, no capítulo 6, versículo 16 diz o seguinte:

“Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém.”

Não é no mínimo intrigante confrontar estas passagens bíblicas com os relatos do Sr.Cerullo???

Entre crer na palavra de Deus e na palavra deste evangelista norte americano, não tenham dúvidas de que fico com a palavra do Senhor, que aliás, é por ela que guio o meu viver.

A teologia da prosperidade, conhecida também como confissão de fé, palavra de fé e movimento da fé foi criada nas primeiras décadas do século XX nos Estados Unidos. Esta doutrina afirma, a partir da interpretação de textos como Gênesis 17: 7 (E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti.), Marcos 11: 23-24 (Porque em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito. Por isso vos digo que todas as coisas que pedirdes, orando, crede receber, e tê-las-eis.) e Lucas 11: 9-10 (E eu vos digo a vós: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á; Porque qualquer que pede recebe; e quem busca acha; e a quem bate abrir-se-lhe-á.) que aos que são verdadeiramente fiéis a Deus devem desfrutar de excelente situação nas áreas da saúde e principalmente da finança.

O pioneiro deste movimento foi o também norte americano Essek M.Kenyon, tendo como seu maior divulgador Kenneth Hagin, que influenciou a muitos pregadores nos EUA, inclusive o Sr.Cerullo, além de evangelistas renomados como Benny Hinn e o coreano David Paul Yonggi Cho.

Voltemos ao programa de televisão, feitas as breves apresentações sobre o Dr.Morris, bem como no que se baseia a teologia da prosperidade.

Decidi assistir aquele programa (este vídeo está disponível no youtube), pois já conhecia este senhor como sendo um veemente defensor da teologia da prosperidade e fiquei intrigado em saber qual o motivo de sua presença no programa do Pr.Silas.

Percebi que estava sendo lançada a Bíblia de batalha espiritual e vitória financeira de autoria de Cerullo, mas não foi isso que me trouxe algum incômodo e sim o apelo deste “profeta”, no qual ele relata que Deus lhe disse que estava “derramando uma unção financeira nestes últimos dias, como Ele nunca havia feito antes”. Para que tal unção recaísse sobre o povo de Deus, bastava que as pessoas que assistiam ao programa em questão, ofertassem voluntariamente a quantia de R$ 900,00 para que Deus liberasse a “unção financeira dos últimos dias” (??!!!???!!!), para que recebessem da parte do Senhor algo que nunca fora recebido antes.

Logo após ele explica o porquê do número 9. Ele faz menção ao ano de 2009 e por isso do pedido do valor de R$ 900,00. Agora que estamos em 2010, seguindo a linha de raciocínio dele, prepare-se para sacar dez notinhas de cem reais de seu bolso, ok?

Agora eu lhes pergunto, isso não se assemelha a numerologia, considerada por nós cristãos uma prática mística??? É impressionante como muitas igrejas têm permitido a incorporação de absurdos como este.

A cerca de semanas atrás parei novamente em frente da tv para assistir algo que me chamou a atenção, desta vez o programa era apresentado pelo Ap. Valdemiro, convocando 150 mil pessoas a ofertar R$ 153,00, que representavam os 153 grandes peixes, relatados no evangelho de João, capítulo 21, versículo 11, na terceira vez em que Jesus se manifestava aos seus discípulos após a ressurreição. Ao doar o valor acima descrito, o ofertante ganhava uma pequena rede. Em outras ocasiões ele pediu aos fiéis de sua igreja um dízimo de 20%, o que já achei um absurdo. Como se não bastasse, no mês de dezembro passado ele convocou sua igreja a entregar o “dízimo” de 30%, representando a santíssima trindade (o Pai = 10%, o Filho = 10% e o Espírito Santo = 10%, totalizando os 30%). Agora lhes pergunto, dízimo não significa a décima parte??? Isso em meu entendimento é coisa de um néscio, de uma pessoa inepta. Estes vídeos também estão disponíveis no youtube, caso você queira assistí-los.

Entendamos que não falo a cerca de dízimo (sou dizimista em minha igreja e faço-o com muita satisfação e alegria), mas sim, falo de homens e mulheres que pregam um evangelho barato, que barganham com Deus, fazendo do ato de cruz de Jesus Cristo algo tolo e sem valor.

Jesus não veio a nós e se permitiu ser humilhado e morto em uma cruz para que tivéssemos fortunas e conforto e sim para nos provar o seu Amor (com “A” maiúsculo), livrando-nos do pecado e nos reconciliando com Deus.

Assim diz o evangelho de Mateus, capítulo 8, versículo 20:

“E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.”

Ainda em Mateus no capítulo 10, versículo 24, vemos o seguinte:

“Não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo mais do que o seu senhor.”

Vamos aos fatos. Se o filho unigênito de Deus não tinha nem se quer onde recostar sua cabeça para descansar e se o servo não é maior do que o seu Senhor, por qual motivo deveríamos pensar que Deus tem como plano maior em nossas vidas a prosperidade?

Não creio que Deus, como sendo um Pai amoroso e zeloso queira que seus filhos vivam em miséria, mas também creio que sua preocupação principal conosco é que nos arrependamos diariamente de forma verdadeira, para que tenhamos relacionamento com Ele e conseqüentemente assegurarmos nossa salvação (Não sou daqueles que carrega consigo a filosofia de que “uma vez salvo, salvo para sempre”), afinal, ela é conquistada dia após dia.

Os textos bíblicos pregados por estes homens para defender a doutrina da prosperidade são distorcidos, corrompidos, a fim de que seus discursos tenham alguma valia.

Vejamos o exemplo inspirador do apóstolo Paulo, em 2ª Coríntios no capítulo 4, que não falsificava a palavra de Deus, mesmo atribulado não se angustiava, mesmo perplexo não se desanimava, era perseguido, mas não desamparado e por fim, abatido, mas não destruído. Paulo ao contrário de pedir bênçãos para si, desejar ser próspero, era entregue a morte todos os dias por amor a Jesus Cristo, trazendo em seu próprio corpo a vida de Jesus.

E se ao invés de pedirmos a Deus por vitórias nas finanças, barganhando com Ele com nossas ofertas para que tenhamos benefícios próprios, decidamos ofertar para que pessoas famintas tenham o que comer? Por que ao contrário de desejarmos o bem estar pessoal não desejamos que nossas ofertas sirvam para que as boas novas do evangelho de Jesus Cristo alcancem aqueles que ainda não as conhecem? E abrir mão do sonho do carro importado zero quilômetro, da casa na praia com piscina ou mesmo daquela viagem de compras a Paris por alguém que você nem mesmo conhece?

É difícil, não é mesmo? Doar-se pelos que realmente necessitam é bastante  confrontador, abrir mão de sua vida para que outros tenham Vida não algo tão simples assim, não é?

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma? Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras.” Mateus 16:24-27

“ E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará. Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? Ou, que daria o homem pelo resgate da sua alma? Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.” Marcos 8: 34-38

Confio minha Fé nestes textos acima descritos. Infelizmente existem muitas (mas muitas mesmo) pessoas que têm vendido sua fé mediante a aceitarem viver um evangelho barato, desejando para si os tesouros deste mundo.

E você, como tem procedido? Seu coração está nas riquezas e prazeres deste mundo ou seu coração encontra prazer em servir ao Senhor, pregando as boas novas aos aflitos e necessitados e fazendo boas obras?

De que adianta você ser dono de posses, de seu celeiro estar cheio até a capacidade máxima enquanto muitos morrem a míngua e sem conhecerem a palavra de Deus?

Se a teologia da prosperidade fosse válida, não haveriam tantos irmãos em Cristo em situação de miséria neste país e em outras partes do mundo. Creio que para estes, Deus tem guardado o melhor. Lembra-se da parábola do Rico e Lázaro? Não? Então leia em Lucas, capítulo 16, do versículo 19 ao 31 e verás que o que escrevi acima possui coerência.

Para terminar, quero deixar-lhes uma mensagem.

Não seja você mais um a ser ludibriado por falsos profetas ou gananciosos de plantão, a fim de que não caias em engano, não permitindo que doutrinas perniciosas comprometam o seu bom relacionamento para com Deus.

Desejo que você prefira carregar sua cruz a desejar os tesouros e prazeres momentâneos e fúteis deste mundo, para a honra e glória dEle!

Obrigado por ler mais este desabafo.

Um grande abraço e que Deus te abençoe.

No amor de Cristo Jesus, sempre!

Chris Kato

Seu Deus é cruel? O meu não!!!

Posted in mensagens with tags , , , , , , , on janeiro 21, 2010 by chriskato

Nos últimos dias, os noticiários, jornais, sites, até mesmo rede sociais como  Orkut e Twitter comentam e noticiam sobre a situação catastrófica do Haiti, após o terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu capital do país, Porto Príncipe. Meu Deus, que tamanha tragédia!

A estimativa é que 100 e 200 mil (não se sabe ao certo ainda…) pessoas perderam suas vidas neste triste acontecimento. Pessoas estão gravemente feridas e sem suporte médico adequado, famintas, com sede, com o coração dilacerado pela perda de familiares e amigos, sem um teto para se abrigar, sem alguns membros de seus corpos (muitos são amputados em decorrência dos graves ferimentos), ou seja, a situação é de extrema gravidade.

O mau cheiro pelas ruas beira o insuportável, produto dos corpos em decomposição, os escombros e as marcas do forte abalo estão por toda parte. Gente chorando seus mortos, contendendo por alguma comida e água, atendimento médico… Meu coração encontra-se em imensurável tristeza.

Não é novidade para ninguém (ou pelo menos para as pessoas mais informadas ou com algum senso humanitário) que o Haiti já era um país miserável e de grandes tragédias sociais. O mundo até então (com algumas pouquíssimas exceções) não havia voltado sua atenção para um povo que em sua maioria vive abaixo da linha de pobreza. Quem não tomou conhecimento dos biscoitos de terra, água, sal e um pouco de manteiga ou banha (chamados na língua creoule de “Tê”, também conhecidos como “Peecaa”), assados pelo sol escaldante, que são ingeridos a fim de atenuar a fome dos menos favorecidos?

Entre 177 países, o Haiti ocupa a desonrosa 146ª posição no Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH, divulgado pelas Nações Unidas. O IDH é a síntese de 04 indicadores: PIB per capita, expectativa de vida, taxa de alfabetização e taxa de matrícula bruta nos três níveis de ensino.

Tenho acompanhado os fatos através da tv e da internet. Li alguns textos de pessoas ligadas ás alas conservadoras do protestantismo que atribuem o ocorrido no Haiti a Deus, através de sua ira, vingança ou juízo, buscando versículos bíblicos para comprovarem suas equivocadas teologias. Alguém escreveu que tal acontecimento era “apenas uma questão de tempo”, pois a mão de Deus teria que pesar sobre um povo incircunciso, praticantes de vodu e idólatras de deuses estranhos. Me contorço todo, respiro fundo, fico inquieto, não acho uma posição confortável na cadeira em que estou assentado neste momento, ao me deparar com tamanha besteira. Tenho vontade de gritar, tamanha minha discordância.

Concordar com isso é o mesmo que alegar que Deus é paradoxal, um “fanfarrão” de mal gosto, que brinca com aqueles a quem chama de filhos. Se isto compreende o amor de Deus por nós, convenhamos, é uma forma um tanto quanto estranha de se amar.

O Deus que conheço não têm prazer em matar, em aniquilar vidas, não é cruel e não age como descrito acima, “pesando sua mão contra os incircuncisos” e pessoas que cometem atos que desagradam seu coração, pois, se assim é, aguarde, sua morte também vai chegar (sim, estou me referindo a você que lê este artigo!) através de uma Tsunami ou de um violento abalo sísmico, pois a palavra de Deus nos revela em Romanos, capítulo 3, versículos 9 e 10, que não há um justo sequer na face da terra, nem mesmo um!

Considerando que o profeta Isaías havia predito em seu livro no capítulo 53, versículo 4, que Jesus verdadeiramente tomou sobre si as nossas dores, não é um tanto quanto intrigante alegar que Deus é quem causa dores nos seus? Por qual razão Ele enviaria o seu tão amado filho (Mateus 3:17) para ser humilhado e ter morte de cruz, por brincadeira?

Não creio nisso! Creio no Deus de Amor, justo sim, mas que não consome os seus (Lamentações 3:22), pois as suas misericórdias não têm fim. É totalmente incompatível alegar que Deus, em sua justiça divina, brinca com o destino dos seres humanos de forma sarcástica enquanto Jesus Cristo prega compaixão. Tentar coadunar ambas as coisas é como querer misturar água e óleo.

Enquanto alguns tentam nos convencer que suas respectivas teologias têm algum fundamento, muitos dos que chamamos de “ímpios” estão enviando mantimentos, se deslocando a fim de oferecer ajuda humanitária às vítimas do terremoto que atingiu Porto Príncipe.

Vale citar o grande exemplo que Zilda Arns Neumann (médica e fundadora da pastoral da criança)  nos deixou. Li em algum lugar aqui mesmo na internet algo assim: “Enquanto Zilda Arns oferecia um prato de comida e perguntava a alguém se ele tinha fome primeiramente, um crente (encaro este como um termo pejorativo nos dias de hoje, tamanhas as besteiras que são feitas e proferidas pelos que assim se intitulam) antes de dar um prato de comida a alguém faminto, perguntaria primeiramente se o mesmo aceitaria a Jesus.”

Não me levem a mal quando digo que o termo “crente” é algo pejorativo, pois, apenas tenho a convicção de que o cristão verdadeiro não faz tantas bobagens e meninices quanto os acima citados.

Por estes dias mesmo tenho visto “crentes” rodando, saracoteando, pulando, dando glórias, aleluias, tentando identificar satanistas infiltrados em suas respectivas igrejas, procurando mensagens subliminares em canções, fazendo festa, enchendo a pança de comida e bebida em comunhões com os irmãos e não separando um momento sequer para, por exemplo, orar por um povo que agoniza há anos, agora ainda mais com a catástrofe ocorrida. Fazem de conta que o problema não lhes diz respeito e dizem que ainda vivem a verdade do evangelho. Tenha dó!!! A palavra de Deus nos ensina em Mateus, capítulo 22, do versículo 37 ao 40, que primeiramente devemos amar a Deus , nosso Senhor, de todo coração, alma e pensamento, sendo este o grande mandamento, porém, o segundo é semelhante ao primeiro, que é: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Resumidamente, quem não ama a Deus não ama ao seu próximo e quem não ama ao seu próximo, não ama a Deus! Citando ainda o versículo 15, do livro de Romanos, capítulo 12, em que o apóstolo Paulo nos ensina sobre o amor, a humildade e a beneficência e que diz o seguinte: “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram.”

Estou seguro de que muitos choram neste momento, não somente no Haiti, mas em outros países onde a miséria é fato real e o povo ainda não recebeu as boas novas do evangelho do Senhor Jesus Cristo, como por exemplo, os países que compreendem o que alguns chamam de “Janela 10/40″, que consiste em uma faixa de terra que vai do oeste da África até a Ásia, subindo a partir da Linha do Equador, fica entre os graus 10 e 40. São cerca de 62 países e 3,2 bilhões de pessoas que não conhecem a Cristo. Há uma pesquisa que nos revela que de cada 10 pessoas em situação de pobreza no globo terrestre, oito estão nesta região e apenas 8% dos missionários trabalham entre eles. Está aí uma boa dica aqueles que ficam perdendo tempo com este tipo de besteirol teológico. Existem bilhares que necessitam da verdade do evangelho!

Voltando ainda a falar da tragédia ocorrida no Haiti, pode ser que você não tenha condições de se doar como voluntário ou mesmo enviar com container repleto de suprimentos aos que necessitam, mas digo-lhe com extrema convicção de que podes enviar algo valioso a eles, que é a sua oração intercessória. Interceda pelas pessoas que estão se deslocando de suas respectivas nações a fim de minimizar a dor dos haitianos, bem como para que Deus console os que perderam familiares e seus pertences e também para que este povo receba forças para reerguer um país vitimado não somente pelo terremoto ocorrido na semana passada, mas também por conta de nosso descaso.

Agradeço a você, caro amigo(a) que acompanha este simples blog por ler este, que foi um desabafo de um simples homem que procura assimilar os ensinamentos de Cristo, aplicá-los ao dia a dia e que se indigna com o “câncer” que têm se espalhado pelas igrejas através de um evangelho barato e de conveniências.

Um grande abraço e que Deus te abençoe!

No amor de Cristo Jesus,

Chris Kato

Enquanto alguns dos que se dizem "cristãos" se preocupam em discutir teologia, homens simples trabalham no resgate das vítimas.

Milhares de pessoas mortas e "crentes" orando por prosperidade no conforto de suas igrejas.

Retrato do descaso humano: Biscoitos de terra, água, banha e sal para matar a fome, antes que a fome os mate. Está servido?

In memorian. Zilda Arns, exemplo de cristianismo (e ela não era evangélica!), dedicação e amor ao próximo.

2010… Novas Possibilidades??? Só depende de nós!!!

Posted in mensagens with tags , , , , , , on dezembro 31, 2009 by chriskato

Uau, em minha percepção o ano de 2009 passou tão depressa, voou. E ficou a impressão de que fiz tão pouco, quer seja por minha pessoa, pela minha família, amigos, ao próximo, para Deus e pela propagação da mensagem da cruz…

É sempre assim (ou quase sempre), ao findar de cada ano paramos para refletir em tudo o que fizemos ou deixamos de fazer, em todos os âmbitos, quer seja em nossa vida pessoal, familiar, profissional, sentimental, ministerial, etc…

Feitas as reflexões, nos comprometemos com nós mesmos de que tudo será diferente ao término do último dia do ano que está prestes a acabar, renovando as esperanças, as metas, os planos, os compromissos, os sonhos.

Mas bom mesmo seria se pensássemos e repensássemos no que fizemos ou no que deixamos de fazer diariamente e não somente ao findar de cada ano. Creio que desta feita, viveríamos de fato a vida ao invés de apenas passarmos por ela, conformando-nos apenas em “existir”.

Desta maneira, poderíamos reconhecer onde falhamos e assim traçarmos novas diretrizes, o que implica em assumir novos riscos, levar alguns tombos mais, quiçá sofrer cortes e arranhões, mas em contrapartida, também nos é devolvida a possibilidade de acertos, a obtenção de êxito, momentos de verdadeira felicidade e de satisfação própria.

Lembrando que todos aqueles que carregam a bandeira do evangelho estão sim sujeitos a dores, aflições, enfermidades, desilusões, tristezas, lutas, dificuldades, humilhações, desprezo, pois o “servo não é maior do que o seu senhor” (Mateus 10:24) e se o Senhor Jesus sofreu coisas similares ou muito piores (Isaías 53:3), o que há em nós que nos faça isentos de tais coisas??? Mas também existe bem-aventurança para os que estão em Cristo Jesus!

Devemos utilizarmos melhor nosso tempo e recursos a fim de que façamos de 2010 um ano de aprendizado, de acertos e de crescimento na Fé, vivendo um evangelho verdadeiro (e não este evangelho barato que têm sido muitíssimo apregoado por ai…) para que possamos conhecer mais a este Jesus lindo e maravilhoso, que pagou um alto preço para que a mensagem da cruz fosse deixada para trazer-nos vida e vida em abundância (João 10:10) e salvação.

Desejo a nós um ano novo de muitas bênçãos e conquistas, mas também desejo que façamos como a Simão, o Cireneu, que foi escolhido para carregar a cruz de Cristo (Lucas 23:26) a fim de que o sofrimento do cordeiro fosse minimizado por alguns instantes… Mas não somente por este motivo e sim porque ao carregar a cruz de Cristo seremos credenciados a participarmos de sua glória, porém, antes teremos que ser participantes de Sua cruz.

Que nós digamos sim a Cristo, que nós digamos sim a mensagem do evangelho e que vivamos um 2010 repleto da presença do Senhor, em todas as áreas, nos momentos de tribulação e nos momentos de bonança.

Busquemos adquirir o caráter de Jesus, assim, nos tornaremos mais parecidos com Ele e menos parecidos com nós mesmos.

Estes são os meus votos a todos nós para 2010 e até o último fôlego de nossas vidas!

No Amor de Cristo Jesus,

Chris Kato

SIGA EM FRENTE, NÃO DESISTA… CONTINUE CAMINHANDO EM DIREÇÃO A CRUZ. UM 2010 REGADO PELA GRAÇA NOS AGUARDA!!!

Feliz Natal… Feliz porque o Messias foi-nos enviado… Aleluias!!!

Posted in mensagens with tags , , , , on dezembro 24, 2009 by chriskato

Eis que é chegado o dia em que simbolicamente comemoramos a vinda do Messias, áquele que veio para nos dar Salvação. Salvação esta conquistada com sangue, dor, humilhações, morte e morte de cruz.

Ele foi fiel, não desistiu de nós. Cumpriu o plano que lhe fôra imputado, venceu a morte e o inferno para nos dar o bem mais precioso, a Salvação.

Pelo nobre ato do simples homem (divino em sua essência) fomos sarados, remidos, justificados e recebemos a graça. Jesus, o Deus Filho, não refugou e nos amou, assim como o Deus Pai, dando sua própria vida em favor de nós.

Portanto, desejo que neste Natal, o verdadeiro sentimento (o de gratidão ao Senhor) esteja presente em seu coração. E que você possa viver as maravilhas que foram conquistadas através do sangue de Jesus, que hoje simbolicamente nasce. Que o Senhor Jesus nasça em teu coração hoje, a fim de lhe dar vida e vida em abundância (João 10:10).

Desejo a todos um Natal com Cristo, pois, somente desta maneira há felicidade plena.

No Amor de Cristo Jesus,

Chris Kato

Pr.Antonio Cirilo e Santa Geração – Adoramos

Canção linda e de genuína adoração ao Senhor Jesus, o único e exclusivo motivo de se comemorar algo nesta data:

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.